O Direito e as Letras: Uma Verdade Inconveniente

Após perder as eleições presidenciais para George W. Bush em 2000, Al Gore, que foi vice-presidente de Bill Clinton entre 1993 e 2001, deixou a carreira política para iniciar uma série de palestras pelos Estados Unidos tentando educar o público acerca do aquecimento global. O objetivo era lançar luz à questão, esclarecendo com dados concretos e objetivos sobre o que é o fenômeno do aquecimento global, seus motivos e suas consequências. As palestras se transformaram em 2006 num filme – que venceu o Oscar de melhor documentário – e também em livro. No ano seguinte, em 2007, Al Gore recebeu o Nobel da Paz por seus esforços.

Em Uma Verdade Inconveniente, o volume resultante de suas palestras, ele alterna imagens, notas técnicas, gráficos e capítulos autobiográficos, contando um pouco de sua própria história, sua entrada na política e o interesse por temas ambientais. O livro tem uma linguagem clara e didática, apresentando reflexões práticas sobre políticas públicas de gestão de recursos e também sugestões que podem ser incorporadas pelo cidadão comum para fazer sua parte.

Um dos pontos mais interessantes que percebi durante a leitura é quanto tempo passou e como as coisas continuam iguais. Uma Verdade Inconveniente foi escrito em 2006, e fala dos acontecimentos daquela época, mas a impressão que se dá é que Al Gore está comentando sobre o que está acontecendo agora: os esforços de um presidente em desfazer avanços conseguidos a duras penas em políticas ambientais; a omissão e até manipulação de dados oficiais, num esforço de censurar inclusive órgãos oficiais do governo; a indicação de lobistas de empresas petrolíferas para cargos estratégicos ligados ao tema; a negativa de participação em acordos internacionais sobre o clima, tudo, enfim parece um filme que já vimos antes.

Tanto é assim que em julho desse ano foi lançado An Inconvenient Sequel: Truth to Power, como estreia prevista no Brasil em novembro, sob o título Uma Verdade Mais Inconveniente, mostrando o progresso feito nos últimos dez anos em busca de energias renováveis e os problemas que ainda temos de enfrentar para resolver o dilema do aquecimento global.

Minha única crítica, específica à tradução brasileira, é à ultima parte do livro, que traz uma série de dicas e informações de como e por que mudarmos nossos hábitos, acompanhados de sites de referência, todos eles em inglês. Teria sido interessante encontrar equivalentes em português, se não para substituir, ao menos para somar aos dados já apresentados. De resto, Uma Verdade Inconveniente é uma leitura necessária e, o que é também muito importante, acessível, com tom informal, mas sem descuidar da informação.

Ficha Bibliográfica

Título: Uma Verdade Inconveniente: o que Devemos Saber (e Fazer) Sobre o Aquecimento Global
Autor: Al Gore
Tradutor: Isa Mara Lando
Editora: Manole
Ano: 2006