COP-23 discute formas de implementação do Acordo de Paris

Terminou no último sábado a COP-23, a Conferência da ONU sobre mudanças climáticas, que se reuniu em Bonn, na Alemanha. O encontro discutiu formas de implementação do Acordo de Paris, fechado em 2015, de forma a atingir a meta mundial de liminar o aquecimento da Terra até o final do século a 2ºC.

Logo no início do encontro, que durou duas semanas, a Síria se uniu formalmente ao Acordo. Em outubro, a Nicarágua já tinha assinado o documento, de forma que, agora, os Estados Unidos são o único país do mundo fora do pacto. Apesar disso, os Estados Unidos tiveram duas comissões presentes na Conferência: uma oficial, sem grandes nomes e outra paralela, organizada por governadores, prefeitos, universidades e empresas americanas, numa campanha batizada de #WeAreStillIn, demonstrando apoio às negociações climáticas da ONU fora das limitações da política federal.

“É de vital importância que se garanta as metas firmadas na conferência. A realidade das mudanças climáticas já está nos causando prejuízos e a tendência, caso continuemos a adiar medidas efetivas de controle de poluição e do uso de combustíveis fósseis, é que as coisas piorem”, afirma o advogado Marcos Meira. “Mesmo quem prefere acreditar que as mudanças no clima são um processo natural independente da ação do homem não pode negar seus efeitos, inclusive na economia. A inação, neste caso, é inaceitável.”

 

Fonte: Agência Brasil